Arteterapia

setembro 19, 2012 UnirConhecimento 47

Quadros expostos na área de convivência da Faculdade Metropolitana de Maringá (FAMMA), de autoria de pacientes do Hospital Psiquiátrico de Maringá, mostram resultados surpreendentes obtidos pela instituição com o uso da arteterapia nos processos terapêuticos. Além de pinturas em tela, o hospital utiliza diversos outros recursos lúdicos no tratamento de seus pacientes. A exposição permanece até a próxima segunda, 24.

 

A sistematização da arte como recurso terapêutico é atribuída ao médico alemão Johann Christian Reil, que viveu no século 19. Considerado um dos nomes mais expressivos do reformismo da psiquiatria alemã, o médico também desenvolveu os protocolos que ordenam a prática de atividades artísticas no tratamento de doenças mentais, estabelecendo novos parâmetros no enfrentamento terapêutico dos problemas.

 

O psicólogo suíço Carl Jung também se entusiasmava com a arterapia e comprovou que a simbologia expressa em pinturas e desenhos permitia uma avaliação mais precisa dos transtornos. Constatou ainda que a atividade artística contribuía sobremaneira no tratamento dos distúrbios mentais. No Brasil, a técnica foi introduzida pelo psiquiatra Ulysses Pernambucano na década de 1920.

Centenas de trabalhos científicos reiteram a eficiência da modalidade terapêutica no tratamento de diversos distúrbios psiquiátricos como esquizofrenia, depressão, estresse pós-traumático, autismo, transtornos alimentares, distúrbios de ansiedade e transtorno obsessivo-compulsivo. Os quadros expostos na faculdade são emblemáticos dos resultados desse trabalho realizado no Hospital Psiquiátrico de Maringá.

A exposição itinerante ‘Pinturas do Inconsciente’ convida para um olhar mais atento para a arte que expressa uma visão particular do mundo, como resultado de processos criativos absolutamente livres de conceitos estéticos. Os quadros retratam percepções muito individuais da realidade de cada paciente e as pinturas formam um painel colorido e emblemático do inconsciente e seus muitos mistérios. 

 

Comentários

Deixe sua mensagem